12 agosto, 2017

Sugestão de Livro: Manual de limpeza de um Monge Budista

Resultado de imagem para manual de limpeza de um monge budista


Tá muito em moda a onda de arrumação. As técnicas do minimalismo: menos é mais. Isso nos que transitamos no universo do zen budismo já sabemos. Os que não convivem com comunidades zen budistas ou nunca foram a um retiro zen budista não sabem o que é fazer Samu. A limpeza com atenção plena. Pelo menos o apelo é para que a limpeza seja uma extensão do zazen, mas nem sempre acontece. Continuamos tentando.

Esse livro foi escrito por um monge da tradição Shin Terra Pura. Ele tem muitos amigos na comunidade zen budista e pode consulta-los a vontade por isso ele foca no estilo zen, mas segundo ele não há muita diferença da Terra Pura.

Ele fala de um estilo mais tradicional e antigo de fazer limpeza. Reconhece que muitos mosteiros já se modernizaram e não usam mais os mesmos materiais feitos à mão ou com produtos caseiros. Compra-se muita coisa pronta, como: vassouras de plástico ao invés da vassoura de palha ou de galhos de árvore, usada para varrer o pátio. 

Para quem pretende algum dia ir a um retiro da tradição Soto Zen, por exemplo, pode ir se preparando com esse livro. Quem quer iniciar-se no caminho da organização, limpeza, faxina, também serve. É um outro modo de fazer as coisas, mais calmo, atento, e lento. Não é necessário limpar tudo de uma vez e nem é necessário limpar rápido para depois ficar a toa. A limpeza no estilo zen nunca acaba e nunca começa. Ela é um continuo.

Frequentemente nos retiros cabia a mim limpar os banheiros. Eu olhava e pensava, mas já está limpo. Todavia não era essa a questão. Poderia estar limpo, mas minha mente não estava limpa. Quando terminava de fazer a limpeza eu tinha vontade de deitar no banheiro e ficar ali de tão limpo e perfumado que ficava. E tinha que ser mantido assim por todos que dele se utilizassem. Não é porque tem alguém que limpa as coisas por nós que devemos descuidar da limpeza. Devemos deixar tão limpo quanto encontramos. E se encontramos sujo, ao invés de reclamar, devemos limpar nós mesmos, seja o nosso banheiro, ou o banheiro alheio. 

Para mim tem pouca novidade mas para você que não está familiarizado com as técnicas de limpeza do zen budismo será um belo presente. Aproveite e abra-se para esse universo delicioso que irá leva-lo ao caminho da tranquilidade. Boa leitura. 

Sem comentários: