27 julho, 2017

Perdão x Compaixão

Muitas pessoas acham que o perdão cura erros ou marcas. Acho que não. O perdão é uma invenção judaico-cristão. Um paliativo. Uma trégua. Mas o que se fez está feito. No âmbito do carma é como uma marca. Pode ser leve e desaparecer com o tempo. Pode ser profunda e ser levada conosco vida após vida. Supomos que vc. mate alguém. Não há como desmatar esse alguém pedindo perdão à família do morto. O carma se fez e ele é seu. As consequências serão suas também. O mais correto é evitar a ação, o carma. Só isso evita as consequências de uma marca cármica. Portanto não acredito muito em perdão.

No budismo trabalha-se a compaixão. Por-se no lugar do outro e não acima do outro, caso do perdão. Pois quem perdoa perdoa o outro, pressupondo que ele não errou.

Pode-se pedir desculpas, pois vivemos em sociedade e somos educados, mas mesmo o perdão é um ato difícil de se instaurar naquele que pede depois de ter agido mal, de caso pensado ou não. E é difícil para a vitima que está sofrendo as consequências da ação de quem lhe feriu com alguma ação. Se aceitamos, num primeiro momento, esse movimento de pedir perdão-perdoar é porque estamos apenas repetindo um padrão aprendido desde criança. Mas no fundo a marca está lá e para muitos é difícil esquecer.

O que muda não é o perdão, mas mudar os padrões. 

Uma boa ferramenta para diminuir os efeitos do carma é fazer prostrações. No zen faz-se 108 por dia,.Mas se o seu caso é muito, muito grave, não há limite. Quanto mais se faça melhor. Todavia, se vc. nunca fez prostrações comece aos poucos e perceba o que acontece. Se não lhe fizer bem, avalie a situação e deixe essa prática de lado. Mas, obviamente, que sendo um tipo de detox, as prostrações, tendem mais ao desconforto físico e mental que ao conforto.

Na tradição soto zen se recita o verso do arrependimento: 

Sangue-mon

Ga shaku sho zô sho aku gô
Kai yû mu shi ton jin tchi
Jû shin ku i  shi sho shô
Is-sai ga kon kai san gue

Todo carma prejudicial alguma vez cometido por mim
Devido a minha ganância, raiva e ignorância
Nascido de meu corpo, boca e mente
Agora, de tudo eu me arrependo.


Sem comentários: